DEPOSIÇÃO DE GORDURA SUBEPICÁRDICA E SUA RELAÇÃO COM ALTERAÇÕES DA PAREDE DAS ARTÉRIAS CORONÁRIAS

  • Thauany Fabbri Corá Universidade Estadual de Maringá
  • Sonia Maria Marques Gomes Bertolini Universidade Estadual de Maringá
  • Célia Regina de Godoy Gomes Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: artérias coronárias, doença arterial coronariana, gordura subepicárdica, tecido adiposo unilocular

Resumo

A infiltração de gordura subepicárdica é frequente e sua espessura encontra-se aumentada em pacientes com doença arterial coronariana significante. Este estudo teve como objetivo analisar o padrão de deposição da gordura subepicárdica e sua relação com as alterações morfológicas da parede das artérias coronárias. Foram utilizados dez corações humanos, adultos, fixados em formol 10%. As regiões ao redor do início das artérias coronárias foram submetidas  à  rotina histológica e realizados cortes transversais de 5 μm de espessura. As lâminas obtidas foram coradas alternadamente e em sequência pelos métodos Hematoxilina e Eosina e Tricrômio de Masson. O peso cardíaco dos corações estudados variou de 216g a 365g. Pode-se concluir que existe predomínio de gordura subepicárdica na face cardíaca esternocostal e no trajeto dos ramos das artérias coronárias. Microscopicamente, há predominância de tecido adiposo unilocular, espessamento das camadas íntima e média das coronárias e frequente presença de placa de ateroma.

Biografia do Autor

Sonia Maria Marques Gomes Bertolini, Universidade Estadual de Maringá

Professora do departamento de Morfofisiologia da Universidade Estadual de Maringá; coordenadora do curso de fisioterapia da Unicesumar; mestre e doutora em fisiologia humana pela Unicamp.

Célia Regina de Godoy Gomes, Universidade Estadual de Maringá

Professora de anatomia humana pelo departamento de Morfofisiologia da Universidade Estadual de Maringá; mestre em anatomia humana pela Unicamp.

Publicado
2018-10-12
Seção
Artigos, Revisões da Literatura, Séries de Caso